Gastos em dólar: como evitar surpresas no pagamento da fatura


Foto: Brooke Cagle/Unsplash

Uma frase muito ouvida por quem viaja ao exterior é: “quem converte não se diverte”. De fato, fica difícil apreciar uma refeição, adquirir ingressos ou fazer compras quando os valores gastos em dólar ou em outra moeda estrangeira se tornam exorbitantes na conversão para o real. Ao mesmo tempo, é inevitável tentar prever a futura conta do cartão. Mas você sabe como funciona a conversão de gastos em dólar nas compras feitas com o cartão de crédito?

Embora seja comum arredondar valores para facilitar as contas, dependendo da quantia gasta, aqueles centavos podem fazer uma diferença e tanto no orçamento. Mas não é só isso. Ainda mais quando a economia do país está instável, fazer uma compra em dólar hoje, com conversão para o real somente dali a 40 dias, pode ser bastante arriscado. A seguir, saiba como evitar surpresas no pagamento da fatura.

 

Afinal, como funciona a conversão do dólar na fatura do cartão de crédito?

Vamos imaginar a seguinte situação: você viajou ao exterior, onde pagou por uma série de produtos e serviços no cartão de crédito. Na semana da viagem, cada dólar gasto era equivalente a, em média, R$ 3,80. Sendo assim, digamos que você tenha feito compras no total de US$ 500, ao chegar no Brasil, você deverá pagar o montante de R$ 1.900 (3,80 x 500) no vencimento da fatura, correto? Na verdade, não é bem assim.

Atualmente, a maior parte dos cartões de crédito faz a cobrança dos gastos em dólar de acordo com a taxa de câmbio no dia do pagamento da fatura, sendo que o valor que aparece na conta corresponde ao valor do dólar no dia do fechamento da conta.

Para evitar confusão, voltemos ao exemplo do início deste tópico. Supondo que no dia do fechamento da fatura o dólar estivesse a R$ 4, o valor que você pagaria até o vencimento seria de R$ 2 mil, mais 6,38% de IOF. Contudo, se acaso no dia do pagamento a taxa de câmbio caísse para R$ 3,90, o valor final da conversão seria de R$ 1.950 (mais IOF). Nesse exemplo, a diferença (R$ 2000 - R$ 1950 = R$ 50) seria devolvida na fatura seguinte. Lembrando que, em caso de alta do dólar, a diferença também seria cobrada na próxima fatura.

 

Dólar comercial ou turismo: qual é a taxa cambial utilizada para a conversão?

Um erro muito comum cometido por quem faz compras internacionais é se basear no dólar comercial para saber quanto irá pagar na conversão para o real. Na verdade, a maior parte dos bancos não utiliza como referência nem o dólar comercial, nem o turismo. Em vez disso, em geral, a conversão é feita com base na taxa cambial conhecida como Ptax, isto é, na média das taxas de câmbio informadas por diferentes dealers, em diferentes horários do dia. Calculada pelo Banco Central, ela pode ser conferida no próprio site da instituição.

Ainda sobre o valor final dos gastos em dólar na fatura do cartão, é importante destacar que os bancos também cobram uma taxa referente aos custos operacionais das transações. Conhecida como spread, essa taxa fica em torno de 4%, mas pode variar de uma instituição para outra. Nesse sentido, vale destacar que, para as compras feitas em outras moedas estrangeiras, são feitas duas conversões: da outra moeda para o dólar, e do dólar para o real. Portanto, podem ser cobradas duas taxas de spread. Fique atento a isso na hora de fazer as contas!

 

Exceção entre os cartões, Nubank permite segurar a taxa cambial do dia

Justamente para driblar o receio que muitos tinham de serem surpreendidos pela alta do dólar em compras internacionais, desde setembro de 2018, o Nubank passou a usar o dia do processamento da compra como referência para a conversão do dólar. Na prática, o cliente pode conferir na hora a projeção do valor da compra em reais. No entanto, como o estabelecimento tem até 7 dias para processar o pagamento, o valor final também pode variar. Mesmo assim, a tendência é que a variação nesse período seja bem menor do que poderia ser em 30 ou 40 dias.

 

Novas regras do Banco Central podem ajudar, mas ainda não entraram em vigor


Foto: NordWood Themes/Unsplash

Para ajudar a evitar surpresas na fatura, em dezembro de 2018, o Banco Central anunciou novas regras para a cotação do dólar usada nas cobranças do cartão. Com a mudança, todos os bancos são obrigados a oferecer ao cliente a possibilidade de “travar” a taxa de câmbio do dia do processamento da compra. A medida, porém, só passará a ser válida a partir de 1º de março de 2020. Mas nada impede que você procure o cartão de um banco que já ofereça essa opção, como o próprio Nubank, ou use um cartão pré-pago.

 

Cartões pré-pagos são alternativa para driblar variações


Foto: Christine Roy/Unsplash

Para quem vai viajar ao exterior, especialistas concordam que, financeiramente, uma das melhores opções é trocar o dinheiro em uma casa de câmbio e levar dinheiro vivo. Isso porque, além de evitar surpresas na variação do câmbio, a taxa de IOF nesse tipo de transação também é bem menor: 1,1% contra 6,38% nas conversões realizadas no cartão. Por outro lado, essa forma de pagamento também tem desvantagens, com destaque para a questão da segurança. Em caso de perda ou roubo do dinheiro, dificilmente você conseguirá recuperá-lo. Mas, então, como pagar por compras no exterior de forma segura e sem surpresas no momento da conversão final?

Uma saída são os cartões pré-pagos! Embora também estejam sujeitos ao encargo de 6,38% de IOF, com essa forma de pagamento você garante a taxa cambial do dia em que carregou o cartão. Se acaso o cartão for perdido ou roubado, basta entrar em contato com o emissor para solicitar o bloqueio e substituição do cartão pré-pago.

Ah! E para quem não está com nenhuma viagem programada no futuro próximo, mas adora fazer compras em sites gringos, você sabia que é possível contar com cartões pré-pagos internacionais? Assim como ocorre com os travel cards, com eles, você também segura a cotação do dólar do momento em que colocou dinheiro no cartão.

 

Ainda em dúvida sobre qual cartão de crédito é a melhor opção para você? Continue acompanhando nosso blog para mais dicas sobre como usar cartões a seu favor. Além disso, na plataforma da CartãoJá, você também consegue conhecer os benefícios e comparar diversas opções de cartão em um único lugar. Confira!