Parcelar no cartão de crédito: como funciona na prática

Em alguns momentos, parcelar no cartão de crédito pode ser a saída para aproveitar ofertas ou lidar com imprevistos. Mas é preciso conhecer as regras para não se enrolar com as contas.


Foto: Artificial Photography/Unsplash

Na teoria, quase todos os experts dizem que o melhor é fazer compras à vista. A questão é que, muitas vezes, o produto que desejamos ultrapassa em muito o orçamento mensal, tem estoque limitado e/ou está com um preço vantajoso. Ainda, pode ser que você nem tenha a intenção de gastar com nada naquela hora, mas eis que a geladeira pifa ou o computador que você usa para trabalhar deixa de funcionar e você está sem grana para o conserto.

Nessas horas — e em muitas outras —, parcelar no cartão de crédito pode ser a salvação. Ao distribuir o valor ao longo de alguns meses, o parcelamento permite diluir despesas, tornando mais fácil encaixá-las no orçamento. Abaixo, explicamos melhor como funciona essa vantagem e quais cuidados você deve ter para aproveitá-la sem sustos.

 

Como funciona o parcelamento no cartão de crédito

Vamos seguir o exemplo citado acima: digamos que seu computador quebrou e é preciso consertá-lo o mais rápido o possível para voltar a trabalhar. Você leva na assistência autorizada e o valor do conserto vai ficar em R$ 1.500, mas, ao olhar na conta bancária… Fuén! Parece ser impossível fazer o pagamento sem comprometer o orçamento.

Se isso acontecer, o estabelecimento poderá oferecer a opção de parcelar o pagamento. Supondo que seja possível parcelar em até 10 vezes sem juros, você pagará R$ 150 por mês por 10 meses consecutivos, a partir da fatura correspondente ao dia da compra. Ao final, você terá pago os mesmos R$ 1.500, mas de maneira a encaixar a despesa no seu bolso.

Quem decide se as compras ou pagamentos podem ser parcelados no cartão é o próprio estabelecimento. Também, cabe a ele decidir o número de parcelas, o valor mínimo de cada uma e se elas serão ou não acrescidas de juros. Por isso, pergunte sempre sobre o tipo de parcelamento. Em caso de cobrança de juros, o lojista é obrigado a informar o Custo Efetivo Total (CET), isto é, o quanto o cliente terá de pagar a mais pelo produto adquirido.

 

Parcelamento sem juros ou desconto à vista?


Foto: Jordan Rowland/Unsplash

Em geral, quando falamos que um lojista oferece parcelamento com juros, isso significa que ele repassa abertamente as taxas de administração a seus clientes. Já no caso de parcelamentos sem juros, essas taxas costumam estar embutidas no valor do produto. E é por isso que, quando se tem dinheiro no bolso, vale a pena chorar por aquele descontinho.

Outro aspecto que nem todo mundo sabe é que, além da taxa pelo uso da maquininha, os estabelecimentos também pagam uma taxa pelo recebimento antecipado do valor parcelado. Por isso, mesmo para pagamentos no cartão de crédito, existe uma pequena margem para barganhar. Não custa nada perguntar. Afinal, com o “não” você já saiu de casa, né?

 

Atenção para o comprometimento do limite total


Foto: Anwaar Ali/Unsplash

Este é um dos fatores que mais gera confusão no parcelamento e, para acabar com ela, é preciso entender bem como funciona o limite do cartão de crédito. Sempre que um banco ou instituição financeira oferece cartão de crédito a um cliente, é como se deixasse um crédito pré-aprovado para ser usado a cada mês. Com base no histórico de pagamentos, na renda mensal e em outros fatores, os bancos determinam qual é o crédito disponível para cada cliente. Esse valor corresponde ao limite do cartão.

Ao fazer uma compra no cartão de crédito, o valor dela é descontado do limite. Ou seja: vamos imaginar que seu limite seja de R$ 2.000. Fazendo uma compra à vista no valor de R$ 500, você ficará com R$ 1.500 para gastar.

Com as compras parceladas funciona da mesma forma! A grande diferença é que, nos pagamentos à vista, esse limite é recuperado de uma vez só, com o pagamento da fatura. Nas compras parceladas, não. Digamos que você tenha parcelado esse mesmo valor em 5 vezes no cartão, esse crédito será liberado aos poucos, com o pagamento de cada parcela. Isto é, a cada mês, você terá R$ 100 de volta incorporados ao limite total.

 

Faça o pagamento em dia e evite acumular muitas parcelas

O parcelamento no cartão de crédito pode ser uma mão na roda para pagar por despesas acima do orçamento mensal de maneira organizada e sem pagar juros por isso. Mas é preciso disciplina para não se enrolar com as contas e/ou acabar sem limite no cartão.

Isso, porque é muito comum não lembrar de fazer a soma de todas as parcelas acumuladas na hora de fazer um novo pagamento. Uma parcela de R$ 50 pode não pesar no bolso ou fazer diferença no limite, mas e 3 ou 4 parcelas nesse valor? Por isso, acompanhe sempre suas parcelas pendentes no aplicativo ou internet banking e evite surpresas.

Outro aspecto que é importante destacar é que fazer compras parceladas é muito diferente de parcelar a fatura do cartão de crédito! Enquanto o primeiro tipo de parcelamento é oferecido pelos estabelecimentos, com o suporte da administradora, e muitas vezes não implica na cobrança de juros, o segundo pode cobrar juros de, em média, até 10% ao mês.

Programe-se para fazer o pagamento das faturas em dia. Com planejamento, o parcelamento de compras no cartão de crédito pode te ajudar na realização de sonhos, como o de fazer uma viagem para o exterior, trocar os móveis de casa e muito mais!